Novos donos querem demolir mansão de Escobar em Miami

14 jan

Uma mansão na cidade americana de Miami Beach que pertenceu ao narcotraficante colombiano Pablo Escobar será demolida por seu atual dono, que busca dinheiro e joias que possam estar escondidos nas paredes e pisos, segundo disse à AFP.

O fundador e gerente geral da empresa Chicken Kitchen, Christian de Berdouare, e sua esposa, que adquiriram o imóvel em 2014, empreenderam a tarefa de derrubar as divisórias e erguer partes da casa na busca por algum depósito de dinheiro, antes de demolir a mansão, informou a emissora de televisão local “7News”.

Vamos demolir a casa e isto deve levar entre duas e três semanas”, disse Christian de Berdouare na mansão, uma grande construção cor-de-rosa, atualmente bastante deteriorada, mas situada em um exclusivo bairro com uma impressionante vista da baía Biscayne e dos arranha-céus do centro de Miami.

O casal não descarta a possibilidade de encontrar uma surpresa na mansão do fundador do Cartel de Medellín que foi confiscada pelas autoridades americanas no final do anos 1980 e, posteriormente, abandonada por seu proprietário anterior.

De Berdouare, que comprou a casa por US$ 10 milhões, disse à emissora que “muita gente na Colômbia sabia que todos os traficantes de drogas costumavam esconder muito dinheiro em suas casas para seu uso pessoal”.

Poderia ser um corpo, pelo que sabemos, ou pode ser dinheiro, ou talvez ouro e diamantes”, comentou.

Pablo Escobar visitou em algumas ocasiões a casa de Miami Beach, que adquiriu em 1980 por 250.000 dólares em dinheiro vivo. Por anos, houve muita atividade durante a noite, quando entravam e saíam muitas embarcações desde o pier da propriedade, disse De Berdouare.

Escobar, o maior narcotraficante que já houve na Colômbia, foi morto em 2 de dezembro de 1993 sobre um telhado de Medellín, deixando 50.000 vítimas para trás, segundo números da ONG Colômbia com Memória.

O narcotraficante, amo e senhor de Medellín durante mais de uma década até sua morte, possuía várias propriedades nos Estados Unidos que foram desapropriadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *